Get Adobe Flash player

Posts Tagged ‘Fertilidade’

Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte II

Programa
Curso de Onco-Hematologia ano II – Abrale / Abrasta

Tema
Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte II

Descrição
video aula sobre Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte II

VN:F [1.9.8_1114]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte I

Programa
Curso de Onco-Hematologia ano II – Abrale / Abrasta

Tema
Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte I

Descrição
video aula sobre Fertilidade em pacientes onco-hematológicos – Parte I

VN:F [1.9.8_1114]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Fertilidade e gravidez na talassemia

Fertilidade e gravidez na talassemia 2 ª Conferência Pan-Americana de Talassemia - ABRASTA Read the rest of this entry »

Óvulos congelados têm a mesma qualidade dos óvulos frescos nas taxas de sucesso de uma gravidez.

A conclusão é de uma pesquisa feita no decorrer de dois anos pelo Instituto Valenciano, na Espanha, o maior centro de reprodução assistida do mundo.

Após analisar 600 óvulos (parte congelada, parte não), os pesquisadores concluíram que as taxas de gravidez com gametas congelados foram de 43,7% em comparação com a taxa de 41,7% com os frescos: praticamente iguais.

O estudo mostrou que não houve uma taxa maior de malformação nos bebês gerados com óvulos congelados.

Esse resultado é o primeiro passo para estimular a criação de bancos de óvulos, semelhantes aos de sêmen.

Saiba mais, clique aqui.

VN:F [1.9.8_1114]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

10 mitos e verdades sobre a vasectomia

A vasectomia é um método contraceptivo, recomendado pelos urologistas quando o assunto envolve planejamento familiar. Porém, ainda é um tópico que desperta medos reais em muitos homens, por causa de mitos e desinformação, como o receio da impotência sexual após a cirurgia.

Para superar esses temores, o melhor remédio é buscar esclarecimentos que desmistifiquem a vasectomia. Quem nos ajuda nessa reportagem sobre o tema é o Dr. Oskar Kaufmann (CRM-SP 104.028), doutor em Urologia, especialista em cirurgia robótica em urologia, Membro da Sociedade Brasileira de Urologia, American Urological Association, Endourological Society e integrante do corpo clínico do Hospital Albert Einstein, que elaborou uma lista com 10 itens que relatam os principais mitos que o público masculino tem sobre o assunto.

1.A cirurgia é muito simples.

Sim, a vasectomia é um procedimento simples, principalmente quando se compara com o ligamento das trompas realizado nas mulheres. Nos homens, o cirurgião irá cortar os canais deferentes, que são os dois canais que transportam o esperma dos testículos para a uretra. As duas extremidades são seccionadas e, então amarradas. Com a interrupção dos dutos deferentes, o sêmen fica sem espermatozóides.

2.A vasectomia significa a esterilização definitiva do homem.

Em termos, porque existe possibilidade de reversão. As opções de controle de natalidade para as mulheres são grandes. Elas podem escolher entre pílulas, emplastros, injeções, DIU, entre vários outros métodos. Porém, além do preservativo, a vasectomia é o procedimento da medicina moderna que chegou mais próximo da eficiência na contracepção masculina. É uma cirurgia que tende a ter resultados definitivos, mas que, em função da evolução da técnica cirúrgica, pode ser revertida.

3.Homens submetidos a esse tipo de tratamento perderão a sua masculinidade.

Essa afirmação não é realidade, porque não existe nenhuma relação entre a vasectomia e a potência e/ou performance sexual do indivíduo. A vasectomia não causa impotência sexual.

4.Após a cirurgia de vasectomia, o homem não ejacula mais e, por isso, perde a libido.

Isso é um mito. O homem continuará a ejacular, mas o líquido seminal não conterá mais espermatozóides. Ainda hoje, esse é um dos principais mitos relacionados à vasectomia, pois dizem que os homens submetidos a esse tipo de tratamento perderão a sua masculinidade ou diminuirão a libido. O homem precisa saber que grande parte do liquido seminal ejaculado vem das vesículas seminais e não dos ductos deferentes. Ou seja, praticamente não ocorrerá mudança na quantidade de liquido ejaculado. Nào existe relação entre vasectomia e diminuição da libido

5.A vasectomia é irreversível.

A vasectomia é considerada uma forma permanente de método contraceptivo, porém alguns homens optam por revertê-la. Essa reversão é realizada por meio de um procedimento conhecido como vasovasostomia, que terá mais chances de sucesso se realizada até 10 anos após a cirurgia. Nos Estados Unidos, aproximadamente 600 mil homens fazem vasectomia a cada ano e 5% deles retornam em busca de uma vasovasostomia. As razões por trás dessa mudança de idéia variam, mas são comuns em casos de novo casamento, morte de um filho ou melhora da situação financeira.

6.A vasectomia só é realizada quando envolve o planejamento familiar.

O perfil ideal para a realização da vasectomia são homens que já têm família constituída e não pretendem mais ter filhos.

7.A vasectomia só é indicada para homens férteis acima dos 30 anos.

Via de regra a vasectomia pode ser realizada por homens férteis, geralmente com idade acima dos trinta anos, que já possuem família constituída (de preferência, dois ou mais filhos), tendo como objetivo o planejamento familiar, em acordo com as suas companheiras.

8.Após fazer a vasectomia, vou sentir dores no pênis ao transar.

Após o procedimento, geralmente é comum o comentário da percepção de que “foi mexido”, principalmente na região escrotal, mas que não chega a configurar dor. E no momento de uma relação sexual não haverá nenhum tipo de dor peniana, prevalecendo a sensação habitual de prazer.

9.A vasectomia é igual a um processo de castramento e o órgão sexual masculino é mutilado.

Isso é um mito. A vasectomia é uma operação que se faz geralmente com anestesia local, onde são feitos dois cortes muito pequenos no escroto (e não no pênis), que são no final fechados com pontos. Portanto, não existe a menor relação entre dor no pênis e vasectomia. Como o pênis não participa do procedimento, ou seja, a cirurgia não envolve esse órgão, não há risco de qualquer tipo de mutilação.

10.Após a vasectomia, o órgão sexual diminui de tamanho.

Isso é outro receio infundado. O pênis não participa desse processo cirúrgico, por isso não ocorre nenhum corte que possa causar mutilação e muito menos qualquer alteração no tamanho ou na sensibilidade do órgão sexual masculino.

Perfil

Dr. Oskar Kaufmann (CRM-SP 104.028) é Médico urologista e especialista em cirurgia robótica. Graduado em Medicina pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), com doutorado pela Divisão de Clínica Urológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina – Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorado em “Endourologia, Laparoscopia e Cirurgia Robótica” pela Universidade da Califórnia – Irvine. É membro da Sociedade Brasileira de Urologia, American Urological Association e Endourological Society. Integra o corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital do Homem. Possui mais de 40 trabalhos publicados em veículos científicos nacionais e internacionais.

VN:F [1.9.8_1114]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)
Tags
Cursos